Subscribe Now

Trending News

28 Out 2020

Diários de Festival de San Sebastián- 4
Um Leão de Ouro em Donostia
Conversas de Crítico

Diários de Festival de San Sebastián- 4 

Diários de San Sebastián 4

Com máscara as pessoas passam umas pelas outras nos corredores  sorriem com uma timidez mais autêntica. O Festival de San Sebastián ensina-nos que não é preciso sorrisos falsos. Num ano em que acabaram as festas pós-premieres, quem passa pelo bar do Hotel Maria Cristina percebe que é ali que está toda a ação e em que uma taça de vinho Rioja pode ser quase tão barata como um café. Mas, atenção, o hotel é cinco estrelas, e o vinho é caro à mesma. Quando pedi um café estava a passar um Johnny Depp todo sorridente e sem máscara. Vinha de bege, ai o horror para uma certa esquerda portuguesa…

Nas salas, digo sim com reserva a El Grande Fellove, a estreia de Matt Dillon na realização. Um doc sobre o músico cubano Fellove. É feito com um sentido sincero melómano mas falta-lhe o golpe de asa, o mesmo que falta a Simon Chama, de Marta Sousa Ribeiro, realizadora jovem que filma com algum défice de chama.  Está na secção Zalbategi. Tem coisas boas, material chato e fútil mas uma unidade conceptual interessante na observação de um jovem a ficar jovem adulto. É uma espécie de Boyhood à portuguesa.

Nas antestreias do festival todos os caminhos vão dar a Nomadland- Sobreviver na América, de Chloé Zhao, com uma Frances McDormand que de certezinha vai ser nomeada aos Óscares. O filme que venceu Veneza e Toronto chegou aqui ao País Basco com excesso de “media hype” e talvez tenha defraudado as expectativas. É certo que fala de uma América invisível daqueles que nada têm mas deveria ter outras piruetas narrativas. A certa altura chega mesmo a arrastar-se.

Enquanto isso, Luca Guadagnino, presidente do júri, armou-se em estrela e não quer ser entrevistado por ninguém. Mas ao lado de uma certa cineasta portuguesa foi de uma simpatia que não dá par acreditar.

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *